Um projeto de arquitetura é feito em várias etapas. São elas o levantamento, o Estudo Preliminar, o Anteprojeto, o Projeto Básico ou Legal e o Projeto Executivo Arquitetura, além do acompanhamento de obra. No projeto executivo arquitetura estão contidas informações gráficas em plantas técnicas que ajudam os profissionais no local da obra a construir a edificação. 

Por conta disso, ele é muito importante. Mas você sabe quais são os principais erros cometidos nesta etapa? Com o intuito de deixar essa questão esclarecida para que você não cometa e não tenha prejuízos nem atrasos na entrega da obra, fizemos este artigo. Leia o texto completo e saiba tudo para evitar os 6 principais erros durante a prática do projeto executivo de arquitetura!

Saiba o que é um projeto executivo arquitetura

Esta é uma das etapas mais importantes dentro de um projeto de arquitetura. Exige a execução das plantas técnicas de forma cuidadosa, com o máximo de informações relevantes, da forma mais objetiva possível.

Afinal, elas que serão utilizadas no canteiro de obra para deixar o projeto igual ao que foi pensado desde a concepção e anteprojeto, com as eventuais correções que possam ter sido feitas durante o processo.

Devem estar contidos no projeto executivo memoriais descritivos, com especificação de todos os materiais de acabamento, metais, louças sanitárias, escadas, guarda-corpos e esquadrias. Além disso, deve estar contida a planta de paginação de piso, a elevação de todas as paredes que compõem as áreas molhadas, como cozinhas, área de serviço e banheiros.

Também deve conter outros elementos, como planta de forro, elevação de todo o mobiliário físico, planilhas de orçamento, cronogramas básicos, marcação de elementos elétricos e pontos de iluminação, que também devem ser informados. Estas informações podem ser encontradas na ABNT 13532, que trata das etapas do projeto de arquitetura.

Como podemos observar, são muitas plantas que devem ser entregues nesta etapa. Essa grande quantidade tem como objetivo detalhar ao máximo possível o projeto, não dando margem para que sejam cedidas plantas duvidosas, em que o responsável pela construção precise perguntar sobre as informações contidas no desenho técnico.

Dessa forma, o projeto deve ser claro, com boa legibilidade, objetivo e apresentar uma linguagem adequada para o contexto da construção. Caso contrário, ele poderá levar a uma série de erros que gerarão atrasos, prejuízos, ou mesmo a construção equivocada da obra, que pode abalar a qualidade dela e alterar o seu conceito inicial. 

Confira agora os 6 erros mais comuns cometidos no projeto executivo de arquitetura

1. Não planejar integrações

Muitos arquitetos pecam por pensar o projeto exclusivamente com foco no apelo visual e na funcionalidade dos espaços, formas e harmonia dos elementos, desconsiderando questões técnicas que são igualmente importantes para a obra. Entre estas questões podemos citar as instalações elétricas e sanitárias.

Há uma série de debates sobre de quem seria a função destas etapas mais técnicas: engenheiro ou arquiteto. Independentemente de quem o faça, o certo é que o arquiteto deve pensar nestas questões, sendo capaz de antecipar as projeções, realizando o trabalho em consultoria com os engenheiros responsáveis pela etapa, quando for o caso, a fim de compatibilizar estas estruturas com os demais elementos da obra.

2. Utilização de materiais inadequados

Tão importante quanto pensar a construção de uma parede em determinado lugar, para atender a determinado fim, está a preocupação em pensar de que material ela será feita. Isso vale para qualquer elemento construído dentro de uma edificação. Materiais diferentes podem exigir técnicas distintas de construção e apresentam propriedades diferentes, que levam, necessariamente, a resultados diferentes.

Usando o exemplo da parede, ela pode ser de alvenaria tradicional, gesso acartonado ou bloco de concreto. O primeiro é indicado exclusivamente para vedação e apresenta bom conforto acústico e térmico. O segundo é conveniente apenas para vedação, não apresenta boa acústica, mas tem bom conforto térmico. O terceiro é apropriado para paredes estruturais, apresenta bom conforto acústico e um conforto térmico não tão bom.

3. Erro no cálculo do metro quadrado

Outro ponto problemático durante a elaboração do projeto arquitetônico é com o equívoco com o m² de cada ambiente ou da obra geral. Com esse erro, materiais são comprados de forma errada, fazendo com que eles sobrem ou faltem. Isso atrasa e gera custos adicionais para a obra.

Para resolver esse problema basta usar as ferramentas disponibilizadas pela maioria dos programas de desenvolvimento de plantas técnicas de arquitetura, como o Autocad e o Revit, em que a área pode ser conseguida de forma rápida e prática com poucos cliques.

4. Ausência de materiais descritivos

É necessário, no projeto executivo, deixar tudo bem detalhado para que a execução seja feita de forma fiel ao projeto, não deixando dúvidas sobre a construção de elementos arquitetônicos e de interiores.  

Para garantir isso, é preciso fazer uma série de materiais descritivos, como próprio memorial descritivo, definindo os principais elementos para o ambiente a ser construído ou reformado, além de detalhamento nas próprias plantas, sempre que for necessário.

5. Não colocar especificações técnicas e executivas

Essas plantas de arquitetura devem conter especificações técnicas e executivas. As portas, por exemplo, devem apresentar o material pelo qual é produzida, a forma de abertura e até mesmo os materiais da fechadura.

Com isso busca-se garantir um controle mínimo de qualidade para a obra, evitando o jeitinho na hora de edificar a construção. Vale ressaltar que as especificações técnicas são obrigatórias, mas elas não podem poluir a planta e nem dificultar a leitura das informações. Por isso, devem ser inseridas de forma racional e organizada.

6. Falta de compatibilização

Um dos maiores erros do projeto executivo é a falta de compatibilidade entre estrutura, arquitetura, projetos complementares (elétrico e hidráulico) e os seus diferentes usos. Para que isso não ocorra, é importante ouvir todos os profissionais envolvidos, para que a obra não seja paralisada e corrigida durante o seu andamento.

Conheça as principais diferenças entre Projeto Básico e Projeto Executivo 

Muitos profissionais costumam confundir o projeto executivo com o projeto básico. Dessa forma, vale ressaltar a diferença entre ambos. O projeto básico é o que é encaminhado para a aprovação na prefeitura. Deve conter especialmente as áreas de cada espaço, cotas, indicação da área permeável, afastamentos, entre outros. 

Já o projeto executivo contém mais detalhes técnicos, uma vez que o seu objetivo é servir de manual de instrução para os profissionais da obra executarem a edificação. 

Por fim, vale ressaltar a importância do checklist para a elaboração de um bom projeto executivo de arquitetura. Ele serve para acompanhar o que falta no projeto executivo e o que já foi colocado, cuidando para que nenhum item importante fique de fora. Esse checklist deve ser feito a partir das recomendações contidas na ABNT 6492.

Sendo assim, o projeto executivo arquitetura, por apresentar informações para quem trabalha diretamente com a execução da obra, talvez seja a etapa mais importante do projeto. Por conta disso, merece uma atenção especial, muita conversa com todos os envolvidos (engenheiros, designers, mestre de obras etc.), além de bom senso e paciência durante a sua confecção. 

Gostou deste texto? Então compartilhe-o em suas redes sociais para que seus amigos também conheçam sobre o tema!