O planejamento de um espaço corporativo não pode considerar apenas o lado estético. O conforto físico tem um grande impacto sobre a saúde dos colaboradores, bem como a produtividade e qualidade dos serviços prestados. Portanto, é fundamental que o arquiteto pense nisso ao elaborar um projeto e busque soluções para melhorar a ergonomia no ambiente de trabalho.

Quer saber como seus projetos corporativos podem contribuir para o bem-estar dos colaboradores por meio da ergonomia? Então continue lendo este post para entender a importância desse conceito e como aplicá-lo para melhorar a qualidade de vida e produtividade dos funcionários.

Aplicação da ergonomia no ambiente de trabalho

De acordo com sua origem grega, a palavra “ergonomia” significa regras (nomos) do ou para o trabalho (ergon). Essa área da ciência é composta por várias disciplinas, todas com um objetivo: estudar como melhorar a interação entre o homem e os objetos.

O ser humano não tem muito a fazer quando se trata de modificar alguns aspectos do próprio corpo. Ele não pode mudar a própria altura, por exemplo, nem a proporção entre suas partes. Por isso, esforços repetitivos realizados de forma incorreta e a manutenção de posições inadequadas por longos períodos podem trazer sérios danos físicos.

Portanto, o que resta a essa ciência é adaptar os ambientes e objetos, permitindo que sejam ajustados às características do corpo humano. Aliás, uma das definições mais clássicas diz justamente que

“Ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho às características fisiológicas e psicológicas do ser humano” — Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO).

Vale destacar que, apesar de nosso foco estar no ambiente de trabalho, todo e qualquer esforço ou atividade humanos exigem certo nível de ergonomia. A interação com objetos na rotina normal de uma pessoa requer esse tipo de cuidado.

Ao carregar as sacolas de um supermercado, por exemplo, recomenda-se que esse peso esteja o mais próximo possível do centro do corpo. Nesse caso, elas deveriam ser sustentadas pelos ombros e não pelas mãos. 

Da mesma forma, outras atividades do dia a dia exigem essa atenção: a posição ao se sentar em um sofá, a adequação das carteiras da escola à altura das crianças, e assim por diante.

Importância da ergonomia no ambiente de trabalho

Apesar de termos destacado que a ergonomia faz parte do dia a dia das pessoas, é no ambiente de trabalho que seus efeitos — ou sua falta — são mais sentidos. Grande parte dos trabalhadores passa, no mínimo, 40 horas semanais na empresa. Portanto, o que acontece ali tem um impacto gigantesco em sua saúde e qualidade de vida.

Um ambiente planejado de acordo com as necessidades ergonômicas traz uma série de benefícios ao indivíduo e à empresa, tais como: 

  • proporcionar conforto ao trabalhador durante a realização de suas atividades;
  • prevenir acidentes de trabalho;
  • evitar dores, lesões ou patologias decorrentes da execução de determinados tipos de atividades laborais;
  • reduzir a sensação de cansaço e suas consequências para o bem-estar do trabalhador;
  • diminuir a frequência de interrupções na atividade laboral causadas pelo desconforto;
  • aumentar a produtividade dos colaboradores.

Devido à sua importância para a saúde do trabalhador, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) criou uma norma regulamentadora sobre a aplicação da ergonomia no ambiente laboral. 

Norma Reguladora n° 17, regulamentada desde 1978, estabelece algumas regras para reduzir a exposição dos trabalhadores a riscos ergonômicos. Entre eles: lesões por esforços repetitivos (LER); levantamento de cargas; atividades que exigem que o colaborador passe toda a jornada em pé, entre outros.

Segundo o subitem 17.1.2. da norma, a empresa tem a responsabilidade de fazer uma análise ergonômica do trabalho. Como resultado, ela receberá um laudo descritivo para implementar medidas capazes de eliminar ou minimizar esses riscos ergonômicos.

Características de um ambiente de trabalho ergonômico

Ao planejar um espaço corporativo, o arquiteto precisa levar em consideração tanto a norma quanto as atividades executadas pelos colaboradores. Felizmente, hoje o mercado já dispõe de vários equipamentos e mobiliário planejados com essa visão ergonômica. As formas e materiais foram criados para priorizar o conforto e permitir ajustes de acordo com a necessidade dos usuários.

Veja alguns pontos que caracterizam um ambiente laboral ergonômico: 

Cadeiras

Uma boa cadeira é feita com espuma de boa densidade. Além disso, o assento deve ter profundidade e altura ajustáveis, permitindo que os pés do colaborador sempre tenham contato com o chão. 

A região lombar também exige cuidado. É bom que o espaldar tenha uma leve protuberância nessa área, fazendo com que haja um contato permanente, provendo apoio ao usuário.

Sempre que necessário, as cadeiras devem ter braços que permitem sustentação adequada, minimizando o risco de lesões por esforços repetitivos. 

Mesas

As mesas precisam ser adequadas à altura e atividade do trabalhador. Um profissional que fica em pé, mas utiliza um monitor e teclado, precisa que eles estejam em uma posição mais alta, diferente de quem trabalha sentado.

A mesa e a cadeira precisam formar um conjunto único. A altura da mesa deve permitir que o braço forme um ângulo reto em relação ao antebraço quando o trabalhador está sentado.

Monitores

Hoje em dia, muitos trabalhadores passam seus dias de olho em uma tela de monitor. A posição dele é essencial para promover conforto físico e visual.

É importante que ele esteja a uma distância razoável para evitar o cansaço, mas, ainda assim, o colaborador precisa visualizar os elementos da tela com clareza. Ele deve ser posicionado na altura dos olhos, evitando que o trabalhador flexione costas e pescoço.

Ambiente ergonômico

A ergonomia no ambiente de trabalho deve prevalecer não só nos equipamentos de uso individual. O próprio espaço precisa favorecer a saúde e bem-estar do colaborador, reduzindo os efeitos físicos e psicológicos de um planejamento inadequado.

Um bom exemplo é o controle de ruídos. Dependendo do layout do ambiente, existe uma chance maior de o barulho se propagar. Essa situação dificulta a concentração do funcionário, aumenta seu nível de estresse e a sensação de pressão psicológica.

Portanto, além de uma mobília ergonômica, é importante que os espaços contenham elementos que reduzem a propagação do som. O uso de divisórias, revestimentos, pisos e a presença de jardins verticais podem solucionar o problema ou amenizá-lo.

Elementos como ventilação, iluminação e paleta de cores também precisam ser bem planejados. Quanto mais confortável estiver o trabalhador, melhor será seu bem-estar e sua capacidade de produzir mais e melhor para a organização. 

Viu só a importância da ergonomia no ambiente de trabalho? Compartilhe este post para que outras pessoas também adquiram esse conhecimento!