Nem sempre as decisões humanas são totalmente racionais. Nossos sentidos enviam informações ao cérebro e criam percepções que, mesmo inconscientemente, afetam a imagem que formamos a respeito de pessoas e empresas. Por isso, à medida que os gestores compreendem a relação entre Arquitetura e experiência do cliente, eles passam a compreender a importância do redesenho do ambiente corporativo.

Quer entender melhor essa relação? Então, continue a leitura deste post. Falaremos sobre a importância da Arquitetura para a experiência do cliente, os principais aspectos que devem ser observados ao redesenhar um ambiente com esse propósito e qual é o papel do arquiteto nesse contexto. Acompanhe!

Qual é a relação entre Arquitetura e experiência do cliente?

No mundo dos negócios, a concorrência é acirrada. Inclusive, o acesso do público às ofertas de inúmeros fornecedores foi potencializado pela tecnologia. Dessa forma, o consumidor tem acesso a produtos variados e preços atrativos, reduzidos pela pressão da competitividade.

Quando usa critérios como variedade, preço e qualidade, o público tem muitas opções semelhantes. Por isso, ele precisa estabelecer outros requisitos para escolher a melhor relação custo-benefício. Ultimamente, um aspecto que tem se tornado muito importante para a decisão de compra é a experiência do cliente.

Assim, muitas empresas estão reconfigurando seus processos para tornar essa experiência mais agradável. Elas estão redesenhando processos como atendimento, abordagem de vendas, logística de entregas e pós-venda para garantir a satisfação do consumidor.

Porém, o ambiente físico é tão importante quanto essas mudanças nos processos e comportamentos. A percepção que o cliente tem do espaço da empresa é fundamental para o bem-estar do público e também para a formação de uma imagem compatível com aquela que o negócio deseja ter.

Portanto, a Arquitetura ajuda a empresa a transmitir aos consumidores ideias como credibilidade, solidez, transparência, modernidade, inovação, entre outras tantas possibilidades.

Como proporcionar a melhor experiência para o cliente por meio da Arquitetura?

Alguns elementos são essenciais para fazer da Arquitetura um fator de melhoria na experiência do usuário. Vamos abordá-los nos tópicos a seguir.

Fachada

A entrada proporciona a primeira impressão visual a respeito de um negócio. Por isso, o projeto dessa área deve ser muito cuidadoso. O design deve ser compatível com a imagem que a empresa deseja transmitir.

As cores e materiais devem ser escolhidos de acordo com essa ideia principal. Vidro, madeira, acrílico, pedras, plantas — cada um deles tem significados diferentes dentro do conceito de Neuroarquitetura. É válido usá-los para obter a reação desejada.

Sempre vale a pena lembrar que, independentemente do ramo de negócios, atualmente, a tendência é minimalista. Elementos em excesso e combinação equivocada de cores causam a sensação de poluição visual e passam a ideia de desorganização e gosto duvidoso.

Atendimento

A área de atendimento também precisa receber uma atenção especial. É necessário otimizar o espaço, garantindo que ele seja suficiente para receber o fluxo de pessoas habitual da empresa.

Se essa área também é usada para que o cliente aguarde algum tipo de encaminhamento, ela precisa proporcionar o conforto adequado. Cadeiras, sofás ou poltronas de boa qualidade são uma estratégia para que a espera se torne mais agradável.

Existe ainda um outro cuidado muito importante em relação à área de atendimento. Caso esse primeiro contato exija que o cliente exponha informações pessoais, é essencial que o ambiente garanta uma certa privacidade. Espaço apropriado e elementos de isolamento, como divisórias, evitam que dados sejam ouvidos e usados indevidamente.

Ambiente físico

Em todos os sentidos, o ambiente físico da empresa deve ser agradável para o cliente. Organização, design apropriado, facilidade para encontrar itens (no caso de lojas) e sinalização permitem que ele circule pelas áreas necessárias sem precisar de ajuda.

mobiliário corporativo tem um papel muito importante nessa organização. É bastante desagradável quando o cliente visita uma empresa e vê objetos espalhados ou mal distribuídos devido à falta de armários e acomodações adequadas. Caixas de suprimentos nos corredores e fios de equipamentos expostos ou estendidos pelo chão também causam uma impressão ruim e podem até provocar acidentes.

Iluminação

iluminação é importante tanto para a produtividade de quem trabalha em um ambiente quanto para os clientes que o visitam. Por isso, essa parte do projeto deve ser tratada com bastante seriedade e profissionalismo. 

É fundamental que o arquiteto se coloque no lugar do cliente e tente visualizar cada etapa da experiência dele na empresa. Assim, será possível explorar todas as combinações entre luz natural, direta e indireta para tornar a permanência dele nesse local e as atividades realizadas ali mais agradáveis.

Utilização de recursos tecnológicos

Atualmente, poucas empresas conseguem desenvolver suas atividades diárias sem o uso da tecnologia. Equipamentos modernos também passam uma boa impressão para o cliente, pois mostram que a empresa investe em recursos para ser mais eficiente.

Em relação a esse aspecto, o arquiteto também precisa tomar algumas precauções. O mobiliário adequado garante que todos os dispositivos e seus periféricos (scanners, impressoras) fiquem em locais apropriados.

Esse mobiliário também permite que os cabos de energia e de ligação entre dispositivos sejam acomodados de forma organizada, evitando a exposição de fios e realizando uma conexão segura com as fontes de energia.

Paisagismo corporativo

Finalmente, o verde torna qualquer ambiente mais agradável. O paisagismo corporativo traz vários benefícios para funcionários e clientes, pois oxigena o ar, produz a sensação de relaxamento e bem-estar, além de humanizar o espaço.

Qual é o papel do arquiteto nesse contexto?

Se a Arquitetura é tão importante para proporcionar uma boa experiência ao cliente, não podemos negar que o arquiteto tem um papel fundamental na remodelagem dos negócios. Embora esse conceito traga novos desafios, o arquiteto está preparado para lidar com eles, já que o objetivo desse profissional sempre foi construir para pessoas, usando suas habilidades para atender às necessidades delas.

O principal diferencial dessa proposta é que o arquiteto considera o cliente final — e não apenas o contratante — como o principal foco de suas ações. Para isso, ele precisa trabalhar em conjunto com os times de marketing e vendas, a fim de conhecer melhor o público-alvo e projetar ambientes adequados para atendê-lo da melhor forma.

Esperamos que este post tenha ajudado você a entender melhor a relação entre Arquitetura e experiência do cliente.

Se você gostou das dicas, siga-nos no FacebookInstagram e LinkedIn para acompanhar as nossas publicações e ter acesso a outros conteúdos como este. Nos encontramos por lá!